O nosso homem-piano


Em 07/04/05 um jovem alto e loiro foi encontrado, andando sem rumo em uma praia no sul da Inglaterra. Ele, que aparentava ter entre 20 e 30 anos, estava vestido com terno e gravata encharcados. O homem não falou uma única palavra desde que foi levado a um hospital psiquiátrico. Ao receber papel e lápis, ele desenhou com perfeição um piano de cauda. Ele também se sentou e tocou por duas horas ao descobrir o piano da capela do hospital, o que levou ao apelido de pianista. Diversas teorias sobre quem poderia ser o “homem piano” pipocaram a medida que cresciam os esforços para desvendar sua identidade, que foi descoberta como sendo Andreas Grassl, um aspirante a jornalista alemão que surtou após perder seu emprego. 

Agora no Brasil temos um mistério parecido *- com bem menos charme é verdade. Ao invés de tocar piano e surgir usando um terno ensopado em uma praia do Sul, “X” (não confundir com o rapper) foi preso tentando invadir o terreno de um policial na cidade de São Paulo para roubar esquadrias de alumínio. “X” não fala, não parece conhecer linguagem escrita ou falada, não se comunica por sinais nem por mímicas, não ter nome ou número de RG e tampouco registro criminal.  

Quem será “X”, ou até quando ele ficará calado?

— Após ver a foto do tal “homem-piano” inglês, eu tenho certeza que ele é o Tom York, vocalista da banda Radiohead, e isso foi um grande jogo de marketing de sua gravadora 😉

* Integra da reportagem abaixo, para não assinantes do UOL

Preso sem nome e sem fala intriga Justiça Ele está preso há 3 meses, após invadir imóvel vazio de um policial; “como condenar alguém que não se sabe quem é?”

“X” não possui registro civil, parece não conhecer a linguagem falada ou escrita nem se comunica por mímicaLAURA CAPRIGLIONE
DA REPORTAGEM LOCAL

Com os olhos arregalados, X emite um íííííí agudo, ao ser perguntado sobre seu nome. Preso no dia 16 de janeiro deste ano no 91º Distrito Policial (que fica ao lado do Ceagesp de São Paulo), depois de invadir o imóvel vazio pertencente a um policial civil, X não fala, não parece conhecer linguagem escrita ou falada, não se comunica por sinais nem por mímicas.
X não tem nome ou número de inscrição no Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt, órgão que expede carteiras de identidade em São Paulo. Também não tem registro criminal. X não existe oficialmente. Mas está preso há três meses em companhia de 36 homens que se espremem em quatro celas escuras, onde só caberiam 24 pessoas.
Ninguém sabe o que fazer com X. No dia 6 de março, X foi levado até o Fórum da Barra Funda, para ser interrogado sobre o que fazia na casa do policial. Os policiais que o prenderam dizem que ele preparava-se para roubar esquadrias de alumínio das janelas, para revender.
A juíza encarregada do caso, Fernanda Galizia Noriega, da 7ª Vara Criminal, pediu a intervenção de um intérprete, que tentou se comunicar com X por intermédio de “todas as formas de comunicação, inclusive a gestual, a mímica e a leitura labial”, conforme o registro judicial. X não respondeu a nenhuma abordagem, mas, colaborativo, até concedeu repetir alguns gestos do intérprete.
Ciosa do rito, a juíza ainda endereçou ao defensor encarregado do caso e ao promotor o questionamento: gostariam de reperguntar algo a X? Os dois declinaram. “Não existe nenhuma forma de comunicação com o réu”, registrou Noriega.

Sem visitas
“Eu nunca vi um caso como este”, diz Anselmo Guarnieri, 44, chefe dos investigadores do 91º DP, policial civil há 22 anos. “Ele é um enigma. Um homem sem nome, sem história, sem conhecidos. Desde que foi preso, não recebeu nenhuma visita. E ninguém registrou desaparecimento de amigo ou parente com as características dele”, diz o policial, para quem X tornou-se um “dilema para a Justiça”. “Como condenar alguém que não se sabe quem é?”
Os policiais do 91º DP providenciaram no dia 2 de fevereiro intérpretes de Libras (Linguagem Brasileira de Sinais), para tentar comunicar-se com X. Nada. No dia seguinte, um representante da Feneis (Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos), Neivaldo Augusto Zovico, foi chamado para tentar contato. Nada.
Sujaram os dedos de X com tinta, para comparar suas impressões digitais com os milhões de registros civis e criminais que a polícia mantém. “Pesquisa negativa” escreveram em seu prontuário. Quer dizer, digitais como as de X nunca foram vistas antes.
“Já fomos à favelinha aqui ao lado do Ceagesp, perguntar se alguém conhecia o “Mudinho”. Mas, sabe como é, mesmo a gente querendo ajudar, na favela é sempre a regra ninguém-sabe-ninguém-viu”, diz Guarnieri. “Tomara que, publicando a foto dele no jornal, algum parente se apresente.”
O investigador diz que terá de ser providenciada uma identidade criminal para X. “Quem sabe até o batizemos.” Depois, se conseguirmos identificá-lo por seu verdadeiro nome, corrigem-se os registros”, cogita.
Segundo o artigo 259 do Código de Processo Penal, “a impossibilidade de identificação do acusado com o seu verdadeiro nome ou outros qualificativos não retardará a ação penal, quando certa a identidade física”. A “identidade física” de X os policiais que o prenderam dizem conhecer. Dizem que era ele o homem encontrado na casa pertencente ao policial civil.
Ontem, até os outros presos tentavam ajudar, aflitos com o destino do homem sem nome que apareceu do fundo da carceragem para encontrar a reportagem da Folha.
Branco, 1,60 metro, magro, idade entre 28 e 32 anos, cabelo e barba curtinhos (raspados em janeiro, quando da prisão), camiseta regata azul, limpo, calça preta e chinelos, X fez um ííííí, ao ser perguntado sobre sua mãe.
Um preso fez um gesto, como se embalasse um bebê, e apontou para X que, sorrindo, levantou as mãos acima de sua cabeça. Outro preso traduziu: “A mãe morreu. Está no céu”.
A advogada Vitória Nogueira, 60, da Acrimesp (Associação dos Advogados Criminalistas de São Paulo), que assumiu a defesa de X na última sexta-feira, pretende conseguir um habeas corpus para libertar o rapaz. “É uma crueldade manter presa uma pessoa nessas condições por mais de três meses, sem direito a visita, a roupas limpas. Nem ao menos alegar inocência ele pode”, diz.
Para a advogada, a denúncia contra X não enuncia os bens que ele teria tentado furtar. “É uma denúncia inepta”, diz.

Anúncios

Um comentário sobre “O nosso homem-piano

  1. Pingback: Decepção: Homem do Piano não é mudo (e não é só isso...) « Um pouco de tudo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s